A Imprescindível Renovação

A cada experiência nova, desde a mais simples, e a cada leitura edificante de que nunca devemos descuidar; convenço-me da nossa realidade espiritual e, desse modo, da necessidade da permanente auto-renovação que significa aperfeiçoamento e, igualmente, não podemos prescindir, sob pena de estagnarmos na senda evolutiva, desperdiçando valiosas oportunidades de que dispomos a cada vivência terrestre, justamente para essas mudanças, tendo em vista o nosso progresso moral-espiritual como essencial finalidade de nossas existências. Eis, creio, a grande verdade que não mais podemos ignorar nem postergar tal entendimento.

Embora reconhecendo a inegável importância de todo estudo diligente intelectual em seus vários aspectos, e das importantes transformações sociais, tecnológicas e tantas outras, que se operam para o bem da humanidade; reflito essencialmente sobre o contexto acima intitulado, quanto ao aspecto espiritual e sua aplicação em nossa vivência e interação sociológica. Porquanto muito fomos e ainda somos alertados a esse respeito, desde os exemplares ensinamentos do Divino Mestre Jesus, há dois mil anos, confirmados e fortalecidos pelos Espíritos Iluminados com o advento do Espiritismo, sabiamente coligido por Allan Kardec, a partir de meados do Século XIX; até os dias atuais, em que somos levados a meditar com a difusão e expansão dos postulados espiritistas. Basta que tenhamos a boa vontade em buscar tais ensinamentos com a extensa biblioteca espiritualista de que dispomos, graças ao abnegado trabalho de missionários divinos, seus exemplos e suas obras esclarecedoras.

E como renovação refiro-me, neste contexto reflexivo, às transformações morais-espirituais sobre os conceitos filosóficos que adotamos e vivenciamos na prática; como se diz popularmente: ‘modo de pensar e jeito de viver’. Em que temos o dever de meditar, estudar e buscar sempre o melhor, a fim de que possamos progredir individual e coletivamente, como se espera de todos nós e da sociedade em que convivemos. O que pode acontecer, naturalmente, pela maturidade alcançada com a experiência existencial no decorrer da vida, quando atentos e dispostos a isso. O que é muito fácil de perceber e compreender, por analogia, com os períodos de vida e desenvolvimento porque passa o ser humano, desde o seu nascimento até a senilidade; passando pela infância, adolescência, juventude e fase adulta, com suas características próprias, físicas e psíquicas, e suas naturais mudanças de comportamento.

Desse modo, todos nós, em face do nosso estado de imperfeição espiritual em que nos situamos de um modo geral, embora as diferenças individuais entre si, ainda necessitamos, de algum modo, de correções de pensamentos e atitudes a fim de galgar os degraus da senda evolutiva em que estamos incursos, gradativamente, a cada existência reencarnatória, objetivando o aperfeiçoamento a que estamos consagrados como seres espirituais criados pela suprema inteligência – Deus. Em síntese, desde os fragmentos da substância primitiva, princípio inteligente do Universo; em que evolucionamos até o despertar da consciência pelo livre arbítrio, adentrando no reino hominal. E a partir de então, justamente com a capacidade de agir e interagir pela liberdade de ação e escolha, é que assumimos a responsabilidade pelos nossos atos individuais, com nosso livre arbítrio, como seres humanos, em que se caracteriza o personalismo de cada um. Por isso, a nossa estagnação espiritual quando nos enredamos nas ilusões mundanas vivenciadas; ou o progresso moral alcançado pelo meritório esforço próprio e a boa vontade na prática do amor e da fraternidade; na condição primordial de espíritos eternos que somos.

Finalmente, considero oportuno repetir o que disse em reflexão anterior: “… Daí porque a necessidade do imprescindível esforço em nos educarmos com tais ensinamentos e tantos outros de que dispomos e encontramos, quando sintonizados com o bem, como dádivas divinas, renovando e edificando nossas idéias, na busca da iluminação que nos torne mais fraternos, e assim, verdadeiramente cristãos. …” ( Observações Oportunas ).

Portanto, estejamos atentos e diligentes, transcendendo a nossa visão e compreensão da vida imortal, para a consolidação da paz e da harmonia de que necessitamos, com a indispensável renovação de nós mesmos e de todos.

Devaldo Teixeira de Araújo.

https://blogdoteixeira.com/ #   devaldo@hotlink.com.br

[Autorizada a divulgação desde que respeitadas a integridade e autoria do texto]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s