A Cada Um Segundo Suas Obras

Indagado por uma amiga e companheira de jornada terrestre, em dúvida sobre o porquê de alguns espíritos após a morte física, ou desencarne como se diz na linguagem espírita, permanecerem aqui mesmo em nosso círculo humano, errantes e equivocadamente interagindo conosco, enquanto outros são bem assistidos e encaminhados a dimensões espirituais próprias e postos de socorros adequados às suas necessidades de momento, refletindo o ensejado e proveitoso amparo; com o pouco conhecimento de que disponho ante tão extraordinária e grandiosa Doutrina Espírita; refleti e assim argumentei:

Deve ser entendido, certamente, como resultado da inequívoca Lei de Causa e Efeito, muito bem esclarecida e difundida pelo Espiritismo em toda sua codificação, como sabemos compilado e divulgado por Allan Kardec, além dos ensinamentos de diversos autores espirituais, por intermédio da psicografia de notáveis médiuns como Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, como os mais conhecidos e divulgados, entre muitos outros. O que também corresponde aos ensinamentos do Divino Mestre Jesus quando afirmou: “… a cada um segundo suas obras.” (Mateus, 16:27).

Ou seja, todos nós enquanto espíritos encarnados em mais uma experiência vivencial, construímos a nossa própria estrutura intelectual, moral e espiritual, de acordo com o nosso esforço na prática das virtudes, ou não, edificando em nós mesmos a capacidade de atrair influenciações espirituais da mesma natureza individual e, por conseguinte, coletiva. E assim, de conformidade com essa possibilidade de atração refletida na sintonia mental-espiritual própria, e segundo suas atitudes ou as suas obras, alguns se capacitam merecedores da aludida assistência espiritual e conveniente encaminhamento para apropriados locais ou dimensões espirituais.

Enquanto outros, equivocados com as ilusões terrestres, em seus exclusivos aspectos materiais e efêmeros, se deixam levar pelos enganosos prazeres mundanos, naturalmente atraindo sintonia espiritual da mesma ordem, e alheios à realidade da imprescindível evolução moral-espiritual a que temos de nos submeter, permanecem imantados aos círculos estreitos dos gozos terrenos, de modo inconsequente e ilusório, por tempo indeterminado. O que facilmente podemos imaginar a que converge tudo isso… Até que em determinado momento, extenuados pelos inevitáveis sofrimentos a que chegam, um e outro, aos poucos, despertam do entorpecimento a que se entregaram, então, arrependidos enfim, imploram ajuda e, pela infinita misericórdia Divina, também são socorridos e assistidos. Dessas ocorrências, temos elucidativas informações de abnegados Espíritos, como Missionários Divinos que a isso se dedicam incansavelmente.

Por tudo isso, urge a imprescindível conscientização de nossa realidade espiritual, da razão porque aqui estamos e, portanto, a necessidade de envidarmos o esforço possível para o nosso aperfeiçoamento espiritual. Para isso, adotando Jesus como nosso Guia e Modelo como nos recomendaram os Espíritos Superiores (“O Livro dos Espíritos”, p. 625), busquemos sempre a prática das virtudes tão bem ensinadas e exemplificadas em todo o Evangelho, a fim de que não incorramos nos mesmos erros supramencionados; ao contrário, que possamos ser merecedores da ajuda espiritual compatível com a nossa condição evolutiva, considerando-nos espíritos eternos, incurso em jornadas de reencarnações terrestres, quantas sejam necessárias, neste plano de expiações e provas, até que alcancemos, por nosso próprio esforço e força de vontade, outros patamares na escala evolutiva espiritual.

E preciso é que façamos por encontrar as respostas às nossas dúvidas, o quanto antes, com os recursos da vasta enciclopédia espírita de que dispomos, por todos os meios, ante a transição planetária que se processa, inexoravelmente, para quando chegar o nosso momento de transição estejamos convictos e tranquilos e possamos contar com o amparo espiritual necessário, consubstanciando a Justiça Divina contida na máxima proferida pelo Divino Mestre: “… a cada um segundo as suas obras.”

Devaldo Teixeira de Araújo.

https://blogdoteixeira.com/  #   devaldo@hotlink.com.br

[Autorizada a divulgação desde que respeitadas a integridade e autoria do texto]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s